Quanto cobrar: Book intermediário

Recebi alguns e-mails comentando meu último post sobre quanto cobrar por um book simples. Alguns falavam que eu não devia cobrar tão barato, pois meu trabalho valia muito mais que isso, outras pessoas comentaram que cobravam muito mais barato que aquilo e que precisavam rever seus preços, mas o e-mail que mais me surpreendeu foi o de uma pessoa que achou um absurdo eu ter falado naqueles valores tão baixos e me disse que  eu estava dando um tiro no pé e prejudicando a classe fotográfica.

Gostaria de esclarecer algumas coisas:

Eu não disse que cobrava R$300,00 por um book. Aliás, confesso que se eu tivesse hoje um book por R$300,00 ia ficar muito feliz!!! Com R$300,00 eu consigo almoçar durante um mês ou pago meu aluguel. O impacto de um book para mim é muito grande. Morar fora da casa dos pais, sem nenhum tipo de apoio financeiro ou operacional, faz com que qualquer quantia de dinheiro seja muito, mas muito bem vinda. De qualquer forma, cobro mais que isso.

Sobre a classe fotográfica, o que seria isso? Alguém conhece ela? Quem é representando por ela? Quando uma foto sua é usada indevidamente há uma classe que te apóia e te suporta em um processo jurídico? Quando você começou a fotografar essa classe fotográfica te ajudou de alguma forma? Existem algumas associações que possuem uma tabela de valores, descontos para seguros de equipamentos e mais algumas firulas. Fora isso, qual é o impacto delas na minha vida? Tirando algumas boas almas que compartilham conhecimento como o Geraldo Garcia ou iniciativas bem intencionada como a da Fototech, eu não espero nada dessa classe fotográfica.  Essa classe fotográfica não paga meu aluguel no final do mês, não paga minhas contas, não me ajuda quando um equipamento quebra, não me suporta através de empréstimos e além de tudo isso, não quer pagar seus assistentes, pois eles estão “aprendendo um ofício”. Aliás, em breve vou escrever sobre os fotógrafos que não querem pagar seus assistentes ou pagam quantias ridículas que só servem para a subsistência do infeliz que se prostitui por amor à fotografia.  Se essa classe fotográfica realmente existe, eu desejo que ela vá à merda!

Dentre os e-mails que recebi, teve um bem bacana e que dá um rumo para esse post:

Uma amiga, me pediu pra fazer um book dela, ela está grávida! Vi o que vc escreveu no seu blog, mas fico pensando se vale a pena cobrar R$300,00 sendo que gastaria uns R$100,00 em impressão de qualidade + um fundo infinito(pois não tenho estúdio)+ o tempo de editar as fotos+ iluminação! Fora que tem a parte de maquiagem e cabelo!
Queria saber se existem outras coisas mais alternativas. Lugares que se podem fazer esse tipo de foto, uma outra alternativa de impressão, pois ela não quer nada em cd. Essas coisas assim.
Fico agradecida!
Abraço

Não, não vale a pena cobrar R$300,00. Contraditório eu falar isso, mas a verdade é essa e o buraco é muito mais embaixo. Quando falei nesse valor,  falei para aquelas pessoas que não possuem um estúdio, maquiador, não vão mandar ampliar, moram com os pais, estão na pindaíba, etc, etc, etc…

Vamos fazer algumas contas para um book mais elaborado.

  • Aluguel de estúdio: R$350,00 (valor para amigo)
  • Maquiador/Cabelereiro: R$150,00
  • Impressão: R$100,00
  • Coffe-break: R$80,00
  • Assistente: R$50,00(o mínimo)
  • Locomoção: R$80,00 (valor para um táxi ida/volta)

Com esses valores chegamos em custo de R$810,00. Isso sem contar depreciação de equipamento, gastos extras, etc. Some esse valor ao quanto você quer ganhar como fotógrafa nesse job e quanto você quer ganhar com o tratamento.

Há outras alternativas para fazer fotos de book (mais baratas) como fazer seu próprio esquema de iluminação e/ou fundo infinito(esse vai ser o próximo post do blog) ou fazer fotos externamente e usar luz natural com rebatedores caseiros. Fazer fotos em parques, casas de amigos e lugares abandonados ou históricos sempre dão boas fotos. Uma outra opção é se juntar com outros amigos fotógrafos para compartilhar equipamento, locações, etc. Sobre a impressão não tem como fugir, se quer qualidade tem que fazer no lugar certo com os profissionais certos e isso tem um custo.

Esse valores que eu passo são mais para dar um rumo para os fotógrafos que estão começando, um quebra-galho. Formar preço é muito mais do que isso e envolve diversos fatores.

É isso aí, um dia a gente deixa de cobrar R$300,00 !!!

Se vocês tem alguma dúvida, sugestão, reclamação, dica, etc, podem deixar um recado aqui, no orkut ou pelo e-mail: dofotografo@gmail.com

Quem quiser dar um retweet é só clicar na caixinha verde no canto superior direito.

About these ads

10 Responses to “Quanto cobrar: Book intermediário”


  1. 1 Dani Davanso 16/04/2010 às 13:34

    Um assunto que perturba a cabeça de vários fotógrafos, quanto cobrar… ainda bem que eu não tenho esses gastos todos ai da listinha, muito menos um assistente, rs.. então consigo um valor menor… mas comecei sim cobrando R$300 um book. É assim, temos que começar de algum jeito…

    Bjs

  2. 2 Marcelo Carrera Maia 18/04/2010 às 9:58

    Caro Leandro,

    assuntos polêmicos são sempre muito interessantes, geram um campo de reflexão e cada um tire sua própria conclusão. Bom minha contribuição nessa conversa são em dois sentidos.

    1-) Preço é uma das variáveis do composto de marketing e é uma estratégia.
    2-) O Mercado é soberano.

    Desenvolvendo mais sobre o ponto 1

    O preço de um produto ou serviço pode ser formado estratégicamente usando como base o custo, a diferenciação, a margem de lucro, a economia de escala, o praticado usualmente no mercado enfim preço é diferente de custo..

    Repito – PREÇO é DIFERENTE DE CUSTO

    oque significa dizer que eu até posso usar uma estratégia de formar meu preço usando meus custos, mas essa não é única.

    Também posso usar o price to market (PREÇO PARA O MERCADO), que é o preço usualmete cobrado pela maioria para um determinado produto ou serviço.

    Acredito que seu post leva em consideração essas 2 estratégias acima. baseando-se no custo e no preço para o mercado.

    ISTO POSTO falemos do MERCADO, DO CLIENTE QUE é SOBERANO e define oque
    vale e oque não vale.

    Estou digitando de um imac, produto mítico, com um posicionamento premium, de produto de qualidade, quem compra um mac, está comprando performance, design, status, estilo de vida.

    E quem compra um mac, paga mais caro porque alem da variável tangivel custo, existe uma variável intangivel chamada MARCA.. BRANDING, eu não compro só o valor do custo eu pago o VALOR PERCEBIDO….

    ou seja VALOR QUE não é percebido não é valor é custo.

    estava a pouco vendo o site bolsa de arte http://www.bolsadearte.com/realizados/2009design/159.htm

    site voltado para FINE ART.

    lá você vai encontrar Adriana Varejão vendendo uma fotografia de 21 x 31 cm por R$ 5.500,00. eu penso que ela não está usando a estratégia do custo para fazer seu preço e sim da diferenciaçao.

    Porque tudo isso é importante ??

    Porque o mercado é um organismo uma entidade viva dinamica, e ele define
    oque vale ou oque e oque não vale..

    Infelizmente não tenho dinheiro para comprar uma foto da Adriana Varejão quem sabe um dia. mas pra ela poder fazer isso antes ela se tornou Adriana Varejão. e o mercado perebe o seu valor artístico e paga por isso.

    o fato dela cobrar R$ 5.500,00 não me habilita a fazer uma foto e vender pelo mesmo preçø…

    Porque o mercado não percebe esse valor no meu trabalho “ainda rs” ou seja
    a Adriana não está ajudando nem prejudicando a classe fotográfica ela está fazendo o caminho dela a história dela.

    Não acredito que Jeff Wall, Martin Parr, Gurski, Sugimoto vão dizer que é um absurdo ela vender tão barato uma obra. porque cada um tem um valor percebido… e o mercado é soberano.

    Resumo da opera… não existe tabela de preços, nåo existe receita de bolo,
    a vida o mercado a fotografia é muito mais complexa que isso..

    Trate de criar valor no seu trabalho, na sua marca, faça seu próprio preço,
    seja baseado no custo, no mercado na diferenciaçao ou escala..

    Não existe respostas prontas nem certo ou errado…. são estratégias que mudam como o fluxo da vida.. do amadureciemnto profissional.

    Entendo que você está falando para quem está começando, para pessoas que nem sabem quanto cobrar, e não definindo um tabela de preço porque se eu imprimir seu blog e for no fotografo mais cascudo de moda e falar “me faz um book pq existe uma tabela e custa R$ 300,00″ ele vai rir da minha cara.

    Entendo que essa não era sua pretensão..

    Enfim precisamos trabalhar nossas marcas, adicionando um valor e o tornando percebido para o mercado, que sempre foi e sempre será soberano.

    Um grande abraçø, continue escrevendo, artigos polêmicos…

    Marcelo Carrera
    http://www.marcelocarrera.com

  3. 3 Marcelo Carrera Maia 18/04/2010 às 9:59

    aro Leandro,

    assuntos polêmicos são sempre muito interessantes, geram um campo de reflexão e cada um tire sua própria conclusão. Bom minha contribuição nessa conversa são em dois sentidos.

    1-) Preço é uma das variáveis do composto de marketing e é uma estratégia.
    2-) O Mercado é soberano.

    Desenvolvendo mais sobre o ponto 1

    O preço de um produto ou serviço pode ser formado estratégicamente usando como base o custo, a diferenciação, a margem de lucro, a economia de escala, o praticado usualmente no mercado enfim preço é diferente de custo..

    Repito – PREÇO é DIFERENTE DE CUSTO

    oque significa dizer que eu até posso usar uma estratégia de formar meu preço usando meus custos, mas essa não é única.

    Também posso usar o price to market (PREÇO PARA O MERCADO), que é o preço usualmete cobrado pela maioria para um determinado produto ou serviço.

    Acredito que seu post leva em consideração essas 2 estratégias acima. baseando-se no custo e no preço para o mercado.

    ISTO POSTO falemos do MERCADO, DO CLIENTE QUE é SOBERANO e define oque
    vale e oque não vale.

    Estou digitando de um imac, produto mítico, com um posicionamento premium, de produto de qualidade, quem compra um mac, está comprando performance, design, status, estilo de vida.

    E quem compra um mac, paga mais caro porque alem da variável tangivel custo, existe uma variável intangivel chamada MARCA.. BRANDING, eu não compro só o valor do custo eu pago o VALOR PERCEBIDO….

    ou seja VALOR QUE não é percebido não é valor é custo.

    estava a pouco vendo o site bolsa de arte http://www.bolsadearte.com/realizados/2009design/159.htm

    site voltado para FINE ART.

    lá você vai encontrar Adriana Varejão vendendo uma fotografia de 21 x 31 cm por R$ 5.500,00. eu penso que ela não está usando a estratégia do custo para fazer seu preço e sim da diferenciaçao.

    Porque tudo isso é importante ??

    Porque o mercado é um organismo uma entidade viva dinamica, e ele define
    oque vale ou oque e oque não vale..

    Infelizmente não tenho dinheiro para comprar uma foto da Adriana Varejão quem sabe um dia. mas pra ela poder fazer isso antes ela se tornou Adriana Varejão. e o mercado perebe o seu valor artístico e paga por isso.

    o fato dela cobrar R$ 5.500,00 não me habilita a fazer uma foto e vender pelo mesmo preçø…

    Porque o mercado não percebe esse valor no meu trabalho “ainda rs” ou seja
    a Adriana não está ajudando nem prejudicando a classe fotográfica ela está fazendo o caminho dela a história dela.

    Não acredito que Jeff Wall, Martin Parr, Gurski, Sugimoto vão dizer que é um absurdo ela vender tão barato uma obra. porque cada um tem um valor percebido… e o mercado é soberano.

    Resumo da opera… não existe tabela de preços, nåo existe receita de bolo,
    a vida o mercado a fotografia é muito mais complexa que isso..

    Trate de criar valor no seu trabalho, na sua marca, faça seu próprio preço,
    seja baseado no custo, no mercado na diferenciaçao ou escala..

    Não existe respostas prontas nem certo ou errado…. são estratégias que mudam como o fluxo da vida.. do amadureciemnto profissional.

    Entendo que você está falando para quem está começando, para pessoas que nem sabem quanto cobrar, e não definindo um tabela de preço porque se eu imprimir seu blog e for no fotografo mais cascudo de moda e falar “me faz um book pq existe uma tabela e custa R$ 300,00″ ele vai rir da minha cara.

    Entendo que essa não era sua pretensão..

    Enfim precisamos trabalhar nossas marcas, adicionando um valor e o tornando percebido para o mercado, que sempre foi e sempre será soberano.

    Um grande abraçø, continue escrevendo, artigos polêmicos…

    Marcelo Carrera
    http://www.marcelocarrera.com

  4. 4 juliana 18/04/2010 às 17:35

    meu…. tudo relacionado a arte tem e deve ser caro porque dá muito trabalho. Uma coisa é você comprar uma colcha feita a mão por uma bordadeira, sei lá… outra coisa é vc ir na pernmbucanas e comprar uma colcha industrial, saca… imagina o tempo que a bordadeira passou fazendo? Mas se ela cobra caro (o valor merecido) ninguém quer pagar… e ainda diz, aaaa vou comprar na pernambucanas. Isso é ridículo. A questão não é o valor. A questão é que as pessoas (infelizmente a grande massa brasileira) não dão valor e não sabem apreciar a “arte”. Pra mim o maior problema é esse. (Só pra constar vc é manda muito bem)

  5. 5 Monique 23/04/2010 às 12:27

    Noutro dia fiz umas fotos de um casal, conhecidos meus… ela ta grávida e tudo.
    Também passei dias pensando em quanto cobrar, perguntei pra fotógrafos daqui de Ribeirão (como não moro em Sampa por aqui não da pra cobrar o que se cobra na capital).
    Eu gostei das fotos, só algumas q eu tive q usar o ISO alto ai a qualidade não ficou tão boa, mas ficaram bonitas.
    Entreguei um DVD com umas 100 fotos tratadas e cobrei 300,00.
    Também não sei se é muito ou pouco, foi a média das sugestões q me deram! Também to indo aos poucos trampando com isso e ainda to meio perdida com valores.. rs!

  6. 6 Lilian Silveira 06/05/2010 às 0:44

    Leandro,
    vc sempre me surpreende! Primeiro pelo baita profissional que vc é e segundo pela pelo ser humano. Cara, será que neguinho nao entendeu o espírito da coisa? Adorei o vai à merda. Concordo com cada vírgula que vc escreveu. Tem a minha mais profunda e sincera admiração!
    É isso ai!
    Abraço,
    Lilian

  7. 7 Andréa Campos 05/06/2010 às 13:11

    Leandro,

    Esse foi o melhor texto que li sobre esse assunto. Parabéns!

  8. 8 Rafael Mendes 08/12/2010 às 22:02

    A melhor parte foi o “vai a merda”, quando comecei, procurei uma “amiga” fotografa e todo empolgado disse: Comprei uma canon. Ela diz que faz parte desta “classe”, então me disse um monte, que eu queria roubar o trabalho dela e por ai foi! Minha vontade era usar esta mesma frase que vc usou! Vai vc e sua classe a merdaaaaaaa! Mais uma vez parabéns!

  9. 9 Elaine 14/10/2014 às 20:28

    Adorei suas dicas !!! Muito validas !!!! 😊😊😊😊


  1. 1 Fala que eu te escuto #05 « DO FOTÓGRAFO Trackback em 06/05/2010 às 20:57

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.243 outros seguidores