Não avalio fotos

[tweetmeme source=”dofotografo” only_single=false]

Não avalio fotos. Por favor, não insista.

Me sinto lisonjeado quando outros fotógrafos, em início de carreira, me escrevem pedindo que eu avalie suas fotos. Entretanto, essa é uma prática que eu não concordo, não da forma como é feita, e por mim ela deixaria de existir agora.

Claro que é importante para o fotógrafo receber o apoio, a opinião e a crítica de outros fotógrafos, mas até que ponto tudo isso define alguma coisa ou até que ponto isso é importante para o sucesso de alguém?

Recentemente participei de uma discussão sobre fotografia fine-art, onde as pessoas estavam preocupadas demais com os enquadramento das fotos, de forma que a pessoa fotografada não aparecesse com alguma parte do corpo “amputada” pelo corte da fotografia. Meu amigos que vieram dessa “escola” também ficam tristes quando suas fotos “cortam” alguma parte do corpo da pessoa perto das mãos, joelhos, cintura e pés. Eles são criticados por seus orientadores/professores quando isso ocorre. Eu sou fotógrafo de moda e publicidade e se fosse avaliado por essas pessoas, como seria essa avaliação? Qual é a importância da opinião deles no meu trabalho? Um dos maiores fotógrafos de moda do mundo, Guy Bourdin, tem um trabalho que vai em sentido oposto a tudo isso. Se essa fotografia fosse minha e eu fosse avaliado por essa turma, quais seriam as críticas?

Guy Bourdin

Dois amigos viajaram para fora do país para participar de um importante evento de fotografia onde haveria leitura de portfolios*. Eles fizeram leitura com cerca de dez respeitados profissionais e desses, quase metade não gostou e a outra metade gostou muito. E aí? como fazemos nesse caso? Tiramos uma média aritmética para chegar em um resultado?

(A leitura de portfolio é uma oportunidade, normalmente paga pelo fotógrafo, de apresentar seu trabalho a renomados profissionais da área como diretores de galerias, festivais, museus e centros culturais, assim como curadores, colecionadores, marchands, estudiosos, pesquisadores, artistas e editores entre outras pessoas para eles avaliarem se o seu trabalho é bom ou não, fazer contatos, etc).

Por outro lado, se vamos pedir avaliação e fotos para pessoas que tem uma linha de trabalho igual a nossa, qual é o impacto disso? Se o trabalho for próximo do dela a crítica vai ser positiva e o contrário também é válido.

Claro que estou generalizando e precisaria de uma tese de doutorado para esmiuçar tudo isso, mas o ponto que quero chegar é de que, da forma como é feita atulamente, a avaliação de portfólio não ajuda o fotógrafo iniciante. Não como um todo.

Ex.:

– Leandro, minhas fotos são boas?

– Boas para quê? Publicididade, arquitetura, moda, natureza, fotojornalismo, iluminação, tratamento, composição, criatividade…

Resumindo, é uma dicussão muito longa para ser feita por escrito ou em 20 minutos de leitura de portfolio. Para se fazer qualquer tipo de avaliação é necessário conhecer as intenções do fotógrafo. Aquele borrado é intencional? O rosto da moça que não aparece é proposital? Onde você queria chegar com esse resultado?

Além disso, como eu ou alguém pode julgar a fotografia de outra pessoa sem conhecer a história ou intento daquele trabalho? Como eu ou alguém pode mensurar a qualidade de uma foto tirada por um pai fez um picnic para sua esposa e filhos em um domingo de sol? Ou de um fotógrafo de casamento que registra as lágrima de um noivo apaixonado ao ver sua futura esposa subir no altar? Aliás, mandaria CartierBresson à mer#$3 se ele falasse que minhas fotos de moradores de rua são ruins. Ele não sabe o que elas significam para mim. Ele não sabe o que eu passei para conseguir elas.

A única avaliação que considero positiva é aquele em que o fotógrafo procura um profissional renomado da sua área de atuação para saber o que o mercado tem demandado, quais caminhos seguir, quem contactar. Essa “avaliação” seria mais um bate-papo, um mentoring,  do que uma análise se o trabalho é bom ou não. Ex.: um fotógrafo de moda que procura um editor de revista para saber se o seu trabalho está alinhado com o que a revista procura. Essas avaliações seriam mais de cunho comercial do que artístico.

Ninguém tem a propriedade de falar que o trabalho de outra pessoa é bom ou não. Cada trabalho tem o seu significado e impacto de forma diferente em pessoas distintas.

É isso aí, não avalio fotos.

Se vocês tem alguma dúvida, sugestão, reclamação, dica, etc, podem deixar um recado aqui, no orkut ou pelo e-mail: dofotografo@gmail.com

14 Responses to “Não avalio fotos”


  1. 1 Cid Costa Neto 25/08/2010 às 11:57

    Achei interessante e pertinente o post, mas não concordo completamente. Realmente não tem como avaliar as fotos de outras pessoas, principalmente quando ela foge da sua funcionalidade técnica – como nos casos das fotos publicitárias ou jornalistiícas – e passa a se tornar uma obra de arte.

    No entanto, eu acho que é possivel fazer comentários objetivos, sem deixar o gosto pessoal interferir demais (mesmo que ele sempre interfira).

    As diferenças vão sempre existir (e isso é bom), mas são os argumentos que levarão o fotografo avaliado a refletir melhor sobre o seu trabalho.

    Achei interessante e pertinente o post, mas não concordo completamente. Realmente não tem como avaliar as fotos de outras pessoas, principalmente quando ela foge da sua funcionalidade técnica – como nos casos das fotos publicitárias ou jornalistiícas – e passa a se tornar uma obra de arte.

    No entanto, eu acho que é possivel fazer comentários objetivos, sem deixar o gosto pessoal interferir demais (mesmo que ele sempre interfira).

    As diferenças vão sempre existir (e isso é bom), mas são os argumentos que levarão o fotografo avaliado a refletir melhor sobre o seu trabalho. Ele pode ou não se deixar influenciar pelas criticas. Mas o importante é que ele próprio tenha consciencia daquilo que o seui trabalho é.

  2. 2 Cid Costa Neto 25/08/2010 às 12:22

    Achei interessante e pertinente o post, mas não concordo completamente. Realmente não tem como avaliar as fotos de outras pessoas, principalmente quando ela foge da sua funcionalidade técnica – como nos casos das fotos publicitárias ou jornalistiícas – e passa a se tornar uma obra de arte.

    No entanto, eu acho que é possivel fazer comentários objetivos, sem deixar o gosto pessoal interferir demais (mesmo que ele sempre interfira).

    As diferenças vão sempre existir (e isso é bom), mas são os argumentos que levarão o fotografo avaliado a refletir melhor sobre o seu trabalho. Ele pode ou não se deixar influenciar pelas criticas. Mas o importante é que ele próprio tenha consciencia daquilo que o seui trabalho é.

  3. 3 Aline 27/08/2010 às 18:14

    Muito bom Leandro, e eu acho que as vezes uma crítica ruím de um fotógrafo que adimiramos(mesmo com ótimas intenções), pode acabar um pouquinho com a auto estima da pessoa. É isso que eu acho.

  4. 4 Osvaldo 07/12/2010 às 15:08

    Boa tarde Leandro
    Li com muito cuidado e muita calma seu texto sobre a havaliação de portifólio. Sou um fotógrafo em início de carreira, apenas dois anos e com muito a aprender, mas trabalho com artes há 20 anos, e lendo seu texto, só posso dizer que concordo em gênero, número e grau. E posso ir um pouco além, fotografia (assim como arte) é algo que é impossível uma única pessoa conhecer tudo e saber de tudo, há semrpe variações, estilos, e tudo mais. Por isso parabenizo você pelo texto e digo que na minha opinião, o olhar de um fotógrafo sobre uma cena é mais importante do que a opinião dos outros sobre o resultado final. Um abraço

  5. 6 Michel S 22/04/2011 às 20:17

    Ótima proposta de matéria cara. Concordo com você. Acho que antes de mais nada, a pessoa precisar deixar (ou tentar deixar) claro para ela própria quais os objetivos que ela pretende como fotógrafo. Ter a mente clara, com objetivos claros é um trabalho complicado mas que pode ser um caminho bastante interessante para o sucesso como um todo. Se o cara tem objetivos claros e pesquisa sobre fotografia, automaticamente, essa pessoa se torna um dos melhores críticos para ela mesma.

  6. 7 Alex Villegas 22/04/2011 às 20:36

    Cara,

    Quando uma pessoa envia fotos para você avaliar, não quer saber sobre as fotos. As fotos ela já conhece.

    Ela quer ver a sua reação a essas fotos. Ela quer TE conhecer através delas, e como você olha para essas imagens. Quando alguém fotografa, conhece o objeto fotografado, conhece o processo de representação usado para construir a imagem, e conhece a imagem final. Ela só não conhece o observador. E esse é o meio dela ter pistas sobre essa ponta do processo que ela não conhece.

    Ela quer saber se se fez entender direito, se está sendo clara. E ela irá perguntar a você e a todos os que ela achar relevantes como observadores.

    É uma honra, e honra não se recusa.

  7. 9 Jozé de Abreu 22/04/2011 às 20:43

    Bom. Muito bom! Totalmente de acordo.

  8. 10 Angélica Bessa 20/11/2012 às 13:54

    Só mesmo alguém com sua formação e bibliografia pode falar de algo que tanto perturba quem está aprendendo. Muito me acalmou ler de alguém como você que não preciso me preocupar com a opinião alheia. Preciso sim de estudar fotografia. Abraços.

  9. 11 RODOLFO DE LACERDA 06/12/2012 às 13:21

    PARABENS!!!

    • 12 RODOLFO DE LACERDA 06/12/2012 às 13:41

      ACREDITO QUE PRA MIM(NÃO SOU EX DE NADA, NEM CONHEÇO TECNICAS AINDA) MEU EQUIPAMENTO AINDA É LIMITADO E ESTOU ME NORTEANDO COM MESTRES EM AULAS PAGAS, SEI QUE A MINHA HUMILDADE ME POSICIONA E ME FAZ FICAR NA OBSERVAÇÃO DE MERCADO! LOGO PENSO QUE ASSIM COMO ACONTECE COMIGO, ACONTECE COM PRINCIPIANTES, E UM EX DISSO É QUE FUI A UM CRUZEIRO FIZ VERIOS REGISTROS, E MANDEI O MEU MENTOR AVALIAR SEM DÓ,RESULTADO: UMA DECEPÇÃO ENORME, MAS SEI QUE ISSO VAI ME IMPULSIONAR E EU VOU SALTAR OBSTACULOS! CONHEÇO E ADMIRO A DIGNIDADE E A VERDADE NUA E CRUA.
      TENHO UM PRIMO QUE MORA NA HOLANDA A UNS TRINTA ANOS , UNS DOS MAIS CONCEITUADOS DESSE MERCADO(joao pereira de lacerda filho)MAS NÃO TEMOS CONTATO ELE É MUITO ORGULHOSO, DECEPÇÃO EM FAMILIA SACA< ENQUANTO MESTRES BRILHNTE E SENSACIONAIS COMPARTILHAM SUAS TECNICAS EX: RAFHAEL MACEB, O PROPRIO RANDALL, MERCURY E OURAS MENTES MODERNAS E ESPIRITOS EVOLUIDOS, SABEM QUE DESENCARNARAM E FORAM UTÉIS!


  1. 1 “Central de dúvidas de fotografia, Huaíne Nunes, como posso ajudá-lo?” : Huaíne Nunes Fotografia Infantil Trackback em 28/06/2011 às 14:15
  2. 2 Pedantismo fotográfico « DO FOTÓGRAFO Trackback em 20/11/2012 às 1:39

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




“Não importa de onde você vem, nem onde você está, o importante é saber onde se quer chegar”

Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

Junte-se a 1.397 outros seguidores

  • 1,051,346 Visitas