Archive for the 'Fotografia Básica' Category

O upgrade de equipamento é realmente necessário?

[tweetmeme source=”dofotografo” only_single=false]

Leia também:

Como alugar um estúdio fotográfico

Fotógrafo para poder fazer upgrade de equipamento precisa fazer downgrade de vida social.

Tão difícil quanto comprar os primeiros equipamentos é fazer o upgrade desses equipamentos. Essa história de que o fotógrafo profissional tem de saber sempre o que comprar é balela. Se grandes empresas como Apple, Microsoft, Canon e Nikon erram nas suas estratégias de marketing, de aquisições, de vendas e financeiras,  por que com o fotógrafo iniciante seria diferente?

Estou em fase de upgrade de equipamento. Por necessidade de trabalho e por uma recente “fatalidade”: perdi uma parte dos meus equipamento enquanto fotografava no mar durante uma ressaca(do mar e não minha). Diversas questões surgiram, ações foram tomadas e eu resolvi compartilhar minha experiência.

O que sempre segui e sempre recomendei foi o seguinte: só compre equipamento quando o seu tipo de trabalho demandar determinado equipamento. Se o seu trabalho demanda determinado equipamento ele precisa trazer o retorno financeiro necessário para a compra desse equipamento. Entretando, a solução não é tão simples assim.

Quando se trabalha com fotografia e todo seu sustento financeiro vem disso, as principais questões relacionadas a upgrade são, ou deveriam ser, as seguintes:

  • Em quanto tempo o equipamento “se pagará”?
  • Qual é o impacto desse upgrade na qualidade das minhas fotos?
  • Qual é o impacto na melhoria de performance do meu trabalho?
  • Encontro assistência técnica e peças no Brasil ou com facilidade?
  • O equipamento é consistente no resultado que ele entrega?
  • O equipamento que vou comprar é de fácil revenda?
  • Essa compra me tornará mais competitivo?
  • Essa compra serve como uma estratégia de marketing?

Também não é fácil responder essas perguntas, pois muitas vezes elas não são mensuráveis.

De maneira prática, a primeira coisa que faço quando sinto a necessidade de ter um equipamento é olhar as opções de preço no mercado e fazer testes com equipamentos alugados ou de amigos meus.

Exemplo: Eu queria fazer o upgrade da minha câmera, li alguns reviews em sites de fotografia e depois peguei a câmera emprestada de um amigo para poder fazer testes comparativos com minha câmera atual que é uma Canon 50D. Fiz a foto usando um ColorChecker para poder ver saturação de cores, fidelidade, detalhes nas áreas de shadows, etc. Não vou entrar em questões técnicas demais, pois esse não é o meu perfil. A câmera que usei para comparar foi uma Nikon D700. Uma das fotos foi feita com a Canon 50D + Canon EF 28-135mm f/3.5-5.6 e a outra foi feita com a Nikon D700 + Nikon 85mm f/1.4 AF-D.  Clique na foto para aumentar a resolução dela.

Esse comparativo não é para aumentar a briga Canon x Nikon. Fotografo com as duas e já cheguei a conclusão que é trocar 06 por meia-dúzia. Esse foi um comparativo que fiz para saber o impacto de uma câmera Full Frame com objetiva prime perante uma câmera simples com “lente escura” na qualidade de uma foto.

As duas fotos foram feitas com luz de flash rebatido no teto e  a câmera em ISO 200 f/6,3 e em 85mm. Aumentei o sharpening da Canon em 0,9 no Radius e em ambas as fotos eu corrigi o balanço de branco. Não estou dizendo que é a MESMA foto, mas a diferença de preços nesses equipamentos beira os R$6.000,00. Motivo suficiente para eu repensar o upgrade perante esse resultado.

Outros testes que fiz foram com os Radio Flashs: PocketWizard Plus II Transceiver e o Cactus V5.

O radio flash é usado para disparar, remotamente, câmeras, flash de estúdio e flash speedlight. O PocketWizard Plus II Transceiver é o mais utilizado no mercado americano e europeu, enquanto o Cactus V5 é chinês e atualização do Cactus V4. Tenho usado o PocketWizard e o Cactus V5 por 04 meses e usei o V4 por mais de um ano. Nesse período de testes nenhum radio flash falhou uma vez sequer.  A principal diferença entre eles é o preço:  PocketWizard USD$169,00 na B&H enquanto o Cactus V5 sai por USD$34,95 na Gadget Infinity.

Fotografia é um mercado que só cresce e isso é ótimo, mas o que vejo é, antes de tudo, mais equipamentos desnecessários do que barateamento de preços e inovação tecnológica. Hoje, para o tipo de foto que faço, uma Canon Rebel XTi não fará fotos com menos qualidade do que uma 5D Mark II. Além disso quando necessito de equipamento ou estúdio eu faço a locação no Estúdio Box.

Se eu fosse roubado e tivesse de começar do zero eu compraria o seguinte equipamento:

  • Canon T2i
  • Lente Canon 50mm 1.8
  • Lente Canon EF-S 10-22mm f/3.5-4.5
  • Macbook Pro 4GB RAM
  • Kit para Iluminação

Com esse set de equipamentos eu faria a mesma foto que eu faço hoje.

Entretanto, como já falei, nada é tão simples assim quando você precisa do equipamento profissionalmente e, além disso, o equipamento também é o brinquedo dessa grande criança chamada fotógrafo.

Resumo da minha vida hoje: O upgrade não vai ser de equipamento, vai ser de educação. Comprei inúmeros livros e DVDs e pretendo passar um bom tempo em retiro educacional devorando minhas novas aquisições.

É isso aí, dinheiro na mão é vendával, mas na mão de fotógrafo vira equipamento.

Se vocês tem alguma dúvida, sugestão, reclamação, dica, etc, podem deixar um recado aqui ou pelo e-mail: dofotografo@gmail.com


Fala que eu te escuto #04

Voltei para São Paulo e agora vou tentar colocar a casa em ordem. Antes de viajar eu recebi, vi depoimento no orkut, o seguinte texto:

Oi Leandro,tudo bem?( ó eu aqui de novo), em um de seus ultimos posts li que vc quer melhorar seus angulos, pois suas fotos não contam muita estória, eu sempre te achei muito humilde em relação a grandeza do seu trabalho, mas daí, vc foi longe demais, sua fotos são as umas das mais expressivas que já vi. Mas o motivo de estar escrevendo mesmo é outro, desculpa a intimidade, é que vc demonstra ser uma pessoa muito amiga, e eu não tenho coragem de me abrir com mais ninguém… Em novembro do ano passado eu fiz um curso na xxxxxxxxx aqui em xxxxxx, meu pai me deu uma D60, meu marido comprou um flash SB600, parece pouco pra quem quer uma máquina de 30.000, rsrs, mas pra nossa realidade aqui, é dinheiro demais.. Acontece amigo Leandro, é que eu não tenho talento nenhum e não consigo fazer uma foto legal, que dê pra montar um portifólio e fazer render os presentes que ganhei com muito carinho, eu nem durmo mais direito só pensando nisso, prq se fosse com meu dinheiro, que se foda né, mas não, foi com o dinheiro suado dos outros. Bem Leandro, acho que já me desabafei, vc não tem idéia de como me sinto melhor, não tem como eu olhar pra cara de uma pessoa da família, que acredita tanto em mim e falar isso, dos meus medos, das minhas fraquesas. Obrigado pela liberdade.Grande abraço, que Deus continue te iluminando.

Eu gostaria ter respondido antes, mas não queria fazer isso correndo. Por isso, decidi responder assim que eu conseguisse um tempo mais livre. Vamos lá:

Em novembro do ano passado eu fiz um curso na xxxxxxxxx aqui em xxxxxxxxx, meu pai me deu uma D60, meu marido comprou um flash SB600, parece pouco pra quem quer uma máquina de 30.000, rsrs, mas pra nossa realidade aqui, é dinheiro demais…

Rs. 35.000,00(dólares) se contarmos o frete e alguns acessórios. Rs. No dia que você me escreveu esse texto eu tinha R$22,00 na carteira e R$6,54 no banco, posso dizer que para minha realidade também é dinheiro demais.  Minha sorte é que no dia seguinte um amigo fotógrafo, literalmente, me deu uma grana e isso me ajudou de uma forma absurda. A propósito, a Hassel é uma câmera cara demais mesmo para os americanos e europeus.

Nikon D60 foi minha segunda DSLR e minhas melhores fotos foram feitas com e ela e a lente do kit. Esses dias um amigo foi em casa e fizemos umas fotos na câmera dele(uma Nikon D60) e com a minha(uma Canon 50D), na questão da qualidade de imagem eu não vi diferença alguma. Além disso, D60+SB600 formam uma dupla incrível, se você comprar uma disparador remoto e um sombrinha vai levar sua fotos para um outro nível. Pretendo fazer um tutorial ainda essa semana sobre como usar o flash fora da câmera.

Acontece amigo Leandro, é que eu não tenho talento nenhum e não consigo fazer uma foto legal, que dê pra montar um portifólio e fazer render os presentes que ganhei com muito carinho, eu nem durmo mais direito só pensando nisso, prq se fosse com meu dinheiro, que se foda né, mas não, foi com o dinheiro suado dos outros.

Que coisa mais horrível de se dizer!!! Como assim não tem talento???  Eu não vou entrar no mérito do que é o talento, isso já foi discutido tantas vezes e  mesmo se alguém me perguntar o que é talento eu não faço idéia do que responder, mas se eu soubesse qual o significado da palavra talento eu não teria como escrever, pois não tenho o menor talento para a escrita. Penso que mais importante do que o talento é a disposição para o trabalho árduo. Toda vez que pego um job eu tenho certeza que ele vai dar certo, não por eu ter talento, mas pelo fato de que vou trabalhar muito para que ele seja um sucesso. Primeiro pesquiso, busco referências, desenho o que quero, tento prever o que pode dar errado e trabalho em cima disso.

Uma foto não é feita do nada, não acredito que exista alguém, por exemplo, que dedica sua vida a cuidar de cavalos e que quando compra sua primeira máquina consegue tirar fotos maravilhosas de moda.  É necessário que você tenha um background, que tenha referências. Eu trabalhei com design de acessórios moda durante 5 anos e isso “não tem haver” com fotografia de moda, mas durante um tempo da minha vida eu olhei muitas fotos de moda e acabei incorporando um pouco dessa linguagem. Também fiz cursos de história do cinema,  entre outras coisas e no fim de tudo, só acabo reproduzindo um pouco daquilo que consumi durante minha vida. Se você acabou de comprar/ganhar sua câmera e não tenhum nenhuma experiência prévia com artes visuais qual o motivo de se cobrar tanto?  Você já leu O Novo Manual da Fotografia do Hedgecoe? Já estudou composição de imagem? Não que seja impossívelde tirar fotos incríveis sem esses conhecimentos, mas serão fotos tiradas “na sorte”. Foto legal é foto feita com conhecimento, pois senão você tira uma e sabe-se lá deus quando vai tirar a outra.  Meu conselho para isso é: Leia o livro O Novo Manual da Fotografia do Hedgecoe e aprenda bem isso e depois estude um pouco de iluminação, você vai ver como suas fotos vão melhorar.

Sobre a questão da culpa, outro dia dei um livro de gastronomia para minha namorada e em nenhum momento eu quis que ela se tornasse um Alex Atala. Dei o livro com muito carinho, pois eu a amo e quero presenteá-la com coisas que ela gosta. Claro, fico muito feliz quando ela cozinha e mesmo não sendo alta gastronomia é tão, mas tã gostoso!!! Tenho certeza que seu pai e seu marido pensam da mesma forma. Mesmo se eles compraram a máquina para você trabalhar não é motivo de se preocupar tanto. Você já viu que os fotógrafos mais experientes tem 10,15 anos de profissão? Dê um tempo a si mesma. Já é ruim se cobrar demais pelo seu próprio desenvolvimento, imagina se cobrar por causa de outras pessoas. Acho legal você valorizar as coisas que ganhou, mas pare por aí, por favor!!!

Quer montar um portfolio e ganhar dinheiro com fotografia? Estude bem esse livro que falei, faça testes, defina que público que atingir, comece a fotografar seus amigo(as) e familiares e ofereça seu serviço por um preço honesto. Não sabe quanto cobrar? Pesquise onde você mora quanto os fotógrafos cobram por determinado serviço.  Exemplo:  Quer fotografar grávidas  e os fotógrafos da sua região cobram R$400,00 por book, ofereça o mesmo serviço para amigas e conhecidas por uns R$200,00.  Se você for em um fórum de fotografia e escrever isso que acabei de dizer eles vão lhe trucidar, vão falar que você está dando um tiro no pé e jogando a “categoria” no lixo. O problema é que essa “categoria” raramente te ajuda quando você precisa e quando te contratam como assistente querem te pagar uma miséria ou nem te pagar. Além disso você precisa entrar no mercado e para isso precisa começar de algum lugar. Eu não temo fotógrafo que cobra metade do que eu cobro, pois além das minhas fotos há outros fatores que contam na hora de um cliente te contratar, como a confiança que você passa, atendimento, seriedade, etc.

Eu termino esse post, mas sinto que não consegui escrever tudo o que gostaria. Escrevo muito devagar e muito mal. Não tenho “O” talento para isso. Só posso dizer que você está no caminho certo, só não se cobre tanto e se precisar de ajuda me avise.

É isso aí,

Se vocês tem alguma dúvida, sugestão, reclamação, dica, etc, podem deixar um recado aqui, no orkut ou pelo e-mail: dofotografo@gmail.com

Tipos de câmeras fotográficas digitais

Atualmente, há no mercado uma infinidade de tipos de câmeras, com preços, funções e aplicações bem diversificadas. Este grande número de opções é muito bom para os consumidores, mas isto pode acabar deixando em dúvida o fotógrafo iniciante ou qualquer um que esteja prestes a comprar uma câmera nova.

Conheça a seguir, um guia bem simples, dos principais tipos de câmeras fotográficas, das básicas às profissionais:

Celulares

As câmeras embutidas em celulares mais avançados têm uma tecnologia parecida com a das câmeras ultracompactas. Nos celulares mais antigos eram encontradas câmeras VGA (meio megapixel), uma qualidade parecida com a das webcams antigas. Hoje já é possível encontrar celulares com até 12 mp.

 

 

 Ultracompacta

São câmeras de bolso superfinas. Geralmente elas possuem 3x zoom e variam de oito a 10 megapixels. Exemplo: Sony T70 de 8.1 mp.

 

 

 

 

Compacta

São as câmeras mais comuns atualmente no mercado, pois possui um ótimo custo/benefício. Apesar de ser uma câmera bem limitada ela é ideal para iniciantes pois é bem simples de ser usada e não possui muitas funções. Todas as marcas populares oferecem câmeras desse tipo. O zoom varia de 3x até 5x e vai de 8 até 12 megapixels. Exemplo: Sony H10. Foi minha primeira câmera e me fez muito feliz.

Estas ultimas 2 câmeras também são conhecidas no mercado como point & shot, ou seja são máquinas para iniciantes. Basta focar no que quiser e bater a foto,  não há necessidade de utilizar funções personalizadas e complicadas.

 

 Bridge ou Compacta Amadora

É uma câmera que faz uma “ponte” entre as compactas e as DSRLs (profissionais). A operação dela é basicamente igual a das compactas porém com com recursos mais avançados, como regulação de obturador, tempo de exposição e a possibilidade de tirar fotos no formato RAW. Além disso essas câmeras possuem um zoom muito mais potente (por isso também são frequentemente conhecidas como Superzooms), e possuem diversos acessórios, como lentes e flash externo. Exemplo: Canon PowerShot G10

 

DSRL

Estas são as câmeras utilizadas por profissionais e por amadores avançados. DSLR significa, em inglês: Digital Single Lens Reflex. Nessas câmeras a luz que entra através da lente, é refletida em um espelho e transferida para uma tela de visualização. Esse jogo de vidros e espelhos faz com que, olhando pelo visor (não a tela de LCD), você veja exatamente o que a lente está “vendo”. Nelas também é possível trocar as lentes. Você pode utilizar uma variedade muito grande de lentes afim de obter diferentes efeitos e resultados. Atualmente no mercado existem vários tipos de lentes que variam de preço mais baixos até as mais caras que chegam a custar R$ 20.000,00. Você pode comprar uma espécie de “kit”, onde o corpo da câmera já vem com uma lente, a média de preço varia de R$ 2.500,00 até R$ 15.000,00 e podem ser encontradas de diversas marcas, como Canon, Sony e Nikon. Exemplo: Canon 50D que é minha câmera atualmente.

 

Médio Formato

Câmera com qualidade elevadíssima e custo idem, equipada com um sensor digital grande (mas não exatamente igual em dimensões aos filmes de médio formato). As fotos que produz são extremamente nítidas e seu principal emprego é em fotografia de publicidade  e ensaios de moda. A empresa sueca Hasselblad é referência. Meu sonho de consumo é uma Hasselblad H3DII-50MS.

Fonte

Antes de começar

Muita gente aparece no meu orkut me perguntando qual máquina comprar. Isso é uma dúvida completamente normal, que afeta todos os fotógrafos iniciantes, e os fóruns e comunidades no orkut estão lotados delas. Falarei sobre qual câmera comprar nos próximos posts.

Entretanto, antes de tentar saber qual máquina comprar é necessário conhecer um pouco de fotografia básica e definir o que se pretende fotografar, pois comprar equipamento para fotografar moda é muito diferente de comprar equipamento para fotos de esporte.

Como aprender fotografia básica? Fazer um curso ou estudar por conta própria?

Há inúmeros cursos de fotografia por aí, desde nível superior a cursos livres. Na cidade de São Paulo, por exemplo,  temos os do SENAC, do Instituto Internacional de Fotografia, da Full Frame, etc. São excelentes, mas possuem um custo elevado. Eu preferi estudar sozinho, aprendo melhor dessa maneira e preferi investir meu dinheiro em equipamentos. Para quem opta em estudar sozinho, fonte de conhecimento gratuita ou por preços módicos é algo bem fácil de achar. YouTube, fóruns fotográficos, grupos no Flickr e comunidades no orkut estão cheias de pessoas dispostas a compartilhar informação.

Meu intuito em escrever esse post foi o de apresentar “A Bíblia da Fotografia”, o livro que todo mundo deveria ler antes de começar a fotografar:

O Novo Manual de Fotografia, de Jhon Hedgecoe

John Hedgecoe é um fotógrafo internacionalmente reconhecido por suas habilidades como fotógrafo, sua capacidade de ensino e estilo de escrita. Como todos os seus livros, “O Novo Manual de Fotografia” é bem  ilustrado com fotografias e desenhos que dão aos fotógrafos iniciantes e amadores um guia claro, prático e conciso para as melhores técnicas fotográficas. O que torna o livro tão rico é que elas são fáceis de ler e seguir. Ele não se destina a um campo especializado de fotografia, mas dá ao leitor uma idéia geral de que ele ou ela pode realizar com sua câmera e equipamentos.

Encontramos no livro temas como, o que é uma câmera , as diferenças entre filme e câmeras digitais, as diferenças entre SLRs, fotômetro, câmeras pequenas, médias e de grande formato, uso de ajustes de abertura e velocidade do obturador, filme, filtros, flash, tripés, etc. Além disso, Hedgecoe  dedica um bom número de páginas para o que eu considero alguns dos aspectos mais importantes da fotografia: iluminação, cor e composição.

Comprei o meu na FNAC, mas escolhi uma edição americana e paguei metade do preço. Para quem não quiser comprar o livro, o Google Books disponibiliza ele quase na íntegra. Sempre leio e nunca me canso. Vou escrever um curso de Fotografia Básica aqui no blog e usarei boa parte dele como fonte.

Depois de ler o livro, me deixe um comentário sobre suas impressões.

Até mais.


“Não importa de onde você vem, nem onde você está, o importante é saber onde se quer chegar”

Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

Junte-se a 1.409 outros seguidores

  • 1,085,269 Visitas